Ínicio » Mistérios » Top 10 agonizantes práticas religiosas

Top 10 agonizantes práticas religiosas

Há em torno de 21 grandes religiões no mundo, o Cristianismo sendo o mais populoso seguido por Islã, Hinduísmo, Religião Tradicional Chinesa e muitos outros. Cada religião possui seu próprio código de conduta e há vários rituais e práticas religiosas acreditadas, seguidas e pregadas.
Algumas destas práticas são bem vistas. Como assistir aos cultos em igreja todos os domingos que é um ritual muito popular que a maioria dos cristãos segue.
Mas há muitas práticas religiosas que são bastante desconhecidas. Estas podem ser dolorosas, cruéis e desumanas. Algumas práticas religiosas podem incluir sacrifício de animais vivos ou até de seus próprios filhos. E, infelizmente, há muitas delas. Nesta seleção estão as 10 agonizantes práticas religiosas.

10°

Cinzelar dos Dentes

cinzelar os dentes entre as mais agonizantes praticas religiosas
Este é um ritual que é praticada pela Tribo Mentawaian da Indonésia e é especificamente para mulheres. A tribo acredita que ao cinzelar ou afiar os dentes das jovens mulheres, elas se tornam mais atraentes e um equilíbrio se desenvolve entre o corpo e a alma.
A tribo acredita que por cinzelar os dentes das jovens mulheres, os espíritos ficarão satisfeitos e o equilíbrio chegará à vida da garota. Os elementos da prática de dor excruciante é feito sem qualquer anestésico.

Jogando Bebê

Arremesso de Bebe india entre as mais agonizantes praticas religiosas
No estado de Maharastra na Índia, jogar bebê de um templo é realizado como um ritual religioso que faz parecer uma situação horrível para muitos. Os bebês entre a idade de 1 e 2 anos são jogados de uma torre de altura de 50 pés.
Outros homens ficam abaixo da torre para pegar os bebês em lençóis. Este costume é mais praticado por hindus e muçulmanos, pois eles acreditam que ao jogar o bebê o tornará mais inteligente e sortudo. Veja vídeo onde ocorre o ritual.

Dança do Sol

danca do sol entre as mais agonizantes praticas religiosas
Dança do Sol é uma parte de muitos protocolos cerimoniais de culturas. Os nativos americanos, o povo das Primeiras Nações e muitas mais culturas contemporâneas, cada um entra nesta prática para oferecer auto-sacrifício, pois acreditam que isto prosperará a família do praticante e toda a comunidade.
A Dança do Sol é realizada de modo diferente por cada tribo, mas a oferta de carne é uma característica comum que toda tribo se propõe a fazer. Em uma cerimônia tradicional da Dança do Sol, os tambores são tocados, orações com tubos são feitas e jejum é realizado.
Mas a parte agonizante desta cerimônia é a oferta de pele. Os homens jovens que participam nisto têm o peito perfurado por espetos causando dor extrema, e devem retirar um pedaço da pele com uma corda amarrado ao espeto (foto).

Flagelação

Luto de Muharram entre as agonizantes praticas religiosas
A flagelação, a cerimônia devocional realizada por muitos grupos religiosos principalmente judaístas e islâmicos, é outro método de auto-flagelação. Na flagelação do Islã, as pessoas de boa vontade se satisfazem em ato de espancamento e chicotadas metódicos.
Isto é feito para lamentar os sofrimentos e martírio de Hussain e é possível ver muçulmanos xiitas se flagelando com facas, lâminas e correntes no dia de Moharram. Nesse vídeo pode-se ver a prática.

.

Escarificação

escarificacao entre as mais agonizantes praticas religiosas

O ato de escarificação pode incluir riscar, gravar, queimar ou cortar a pele. Mas para uma tribo vivendo em Papua Nova Guiné, a escarificação é um ritual que todo garoto tem que se submeter para ser tratado como um homem. Os garotos jovens são obrigados a ser cortados nas costas, peito e nádegas para ficar semelhante a pele de um crocodilo.

Cerimônia Okipa

cerimonia okipa entre as mais agonizantes praticas religiosas
A Cerimônia Okipa é outra prática de tortura realizada para provar coragem física e buscar aprovação dos espíritos. A cerimônia interpretada por indianos Mandan se inicia com uma Dança Bison e continua por até 4 dias. Durante estes 4 dias, os jovens homens não são autorizados a comer, beber ou até dormir.
Eles são levados a pequenas cabanas onde os espetos de madeira são inseridos em seus peitos e ombros que perfuram sua pele. E durante este ato atormentado, eles devem se sentar com um rosto sorrindo.
Mais tarde, estes homens são pendurados no teto do alojamento até desmaiarem, e então são retirados. Finalmente, se eles despertarem, simboliza a aprovação dos espíritos.

Aghori

Aghori entre as mais agonizantes praticas religiosas
Acredita-se que prática de Aghori tenha origem na religião hindu. Os hindus são conhecidos por acreditar na mitologia que Brahma é o criador deste Universo e que não existe mal.
Os gurus Aghori eram conhecidos por morar próximos aos locais de cremação e besuntar as cinzas da cremação sobre si. Já testemunharam eles usando os ossos dos cadáveres e usando os crânios dos mesmos como taça e até comer aqueles cadáveres.

Sepultamentos do Céu

Sepultamentos do Ceu entre as mais agonizantes praticas religiosas
Os enterros do céu costumavam ser uma cerimônia do Tibete que era excludente e de ostentação. E foi uma prática funerária em que os corpos falecidos eram dissecados e espalhados no topo das montanhas para as aves levarem. Os tibetanos e também muitos mongóis costumavam acreditar que após a morte, o corpo é como um vaso vazio e não há necessidade de preservar ou armazenar o mesmo.

Circuncisão

circuncisao entre as mais agonizantes praticas religiosas
Esta é uma prática que é seguida principalmente no judaísmo e islamismo. O doloroso procedimento da circuncisão envolve a remoção do prepúcio do pênis, sem anestesia.
Na circuncisão feminina, a pele cobrindo o clitóris, ou o próprio clitóris é removido. No Islã acredita-se que o profeta Maomé nasceu sem o prepúcio e para simbolizar a inclusão deles com a comunidade, os devotos passam pela circuncisão.

Sokushinbutsu

Sokushinbutsu entre as mais agonizantes praticas religiosas
Tão complicado é o nome, igualmente abominável é esta tradição que foi um último ato de abnegação por monges budistas. A prática que é também conhecida como auto mumificação, foi proibida pelo governo japonês no final do século 19 e não é defendida atualmente por qualquer seita budista.
Para praticar auto mumificação, os monges tomariam uma dieta especial e fariam atividades físicas rigorosas por 3 anos para transformar seus corpos em uma estrutura de menos gordura. Então eles comeriam apenas cascas e raízes e beberiam um chá venenoso que causaria perda de líquidos excessiva e evitaria a decomposição do corpo após a morte.
Mais tarde os monges entravam em uma tumba de pedra que não tinha espaço para qualquer movimento. E anexado àquela tumba estava um tubo de ar e um sino, que era usado para indicar que o monge ainda está vivo. E o dia que o sino parasse de tocar, o tubo seria removido e o túmulo selado.




Postado por Adriano Lucas

Adriano Lucas, é fundador do Top10mais.org, tem 28 anos, mora em Cuiabá. Estudante do curso de Sistemas para Internet, esta sempre disposto a aprender e compartilhar em seus blogs, as diversas curiosidades existentes no mundo. Blogar é seu hobby desde 2009, mas tornou-se sua principal atividade a partir de 2011.

Veja também:

homem entre as coisas perturbadoras que voce nao sabia sobre poligamia

Top 10 coisas perturbadoras que você não sabia sobre poligamia

Nesta seleção estão em destaque as 10 coisas perturbadoras que você não sabia sobre poligamia. …

5 Comentários

  1. Nossa quanta coisa horrível, apesar de muitas falhas que o Brasil tem , agradeço a Deus por ser brasileira !!!!!

  2. Nossa eu ein cada loco com as suas loucuras

  3. O 3 foi o único que achei razoável. Morreu, acabou. Pra que preservar o corpo pagando horrores em enterro.

  4. Esse último é sinistro, parece que saiu(melhor dizendo, foi incorporado) de um filme de ficção. 😮

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *